Estudo revela que idosos nos Açores tendem a envelhecer melhor

A investigadora Teresa Medeiros afirmou esta segunda-feira que os idosos nos Açores tendem a envelhecer melhor, devido às relações de vizinhança e proximidade com a família e a uma rede de apoio que minimiza o isolamento.

"Penso que nos Açores se envelhece melhor, porque há relações de vizinhança, relações sociais de identificação. As pessoas são mais sinalizadas, os casos são mais sinalizados e a rede social e o Governo [Regional] também contribuem para minimizar o isolamento", afirmou a docente da Universidade dos Açores, em declarações à agência Lusa.

A conclusão resulta de um estudo que integra o livro (Re)pensar as pessoas idosas no século XXI, que coordenou, e é lançado na terça-feira, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

A investigadora Teresa Medeiros afirmou esta segunda-feira que os idosos nos Açores tendem a envelhecer melhor, devido às relações de vizinhança e proximidade com a família e a uma rede de apoio que minimiza o isolamento. 

"Penso que nos Açores se envelhece melhor, porque há relações de vizinhança, relações sociais de identificação. As pessoas são mais sinalizadas, os casos são mais sinalizados e a rede social e o Governo [Regional] também contribuem para minimizar o isolamento", afirmou a docente da Universidade dos Açores, em declarações à agência Lusa.

A conclusão resulta de um estudo que integra o livro (Re)pensar as pessoas idosas no século XXI, que coordenou, e é lançado na terça-feira, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Teresa Medeiros considerou primordial "investir na prevenção e nas actividades de estimulação e de bem-estar que proporcionem uma actividade cerebral intensa para reduzir ou minorar o envelhecimento com demência", exemplificando com o programa de Aprendizagem ao Longo da Vida que criou em 2003 na Universidade dos Açores.

Apesar de destacar a existência de uma boa rede de equipamentos sociais para a terceira idade, a docente defendeu, contudo, que os Açores poderiam evoluir também para um modelo de residências onde os idosos pudessem ter uma vida autónoma, mas apoiada com serviços de saúde e protecção. Para a coordenadora da obra, "o envelhecimento não é mais que um processo de mudanças que se operam ao longo do tempo", salientando que "é possível encontrar maior bem-estar psicológico junto das pessoas que têm actividades de estimulação cognitiva e social".

A obra será apresentada por Joaquim Armando Ferreira, professor catedrático da Universidade de Coimbra, na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada.

Fonte: Público


 

 

Entre em Contato

Horário de Atendimento Telefónico

De Segunda a Sexta-Feira

17:00h às 21:00h

Telefone: +351 91 621 31 73

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

mais ...

 

Testemunhos