Efeito do exercício físico no doente com Síndrome de Parkinson

Como todos sabemos, o exercício faz bem à saúde e promove o bem-estar físico e mental.

Quando falamos no tratamento do Síndrome de Parkinson, a atividade física é indispensável para a maioria dos doentes.

Para percebermos o porquê de ser tão importante a prática de exercício, é fundamental esclarecer que sistemas são afectados por esta doença.

O Síndrome de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, que de forma simples, provoca descoordenação motora, temor em repouso, dificuldade em andar e numa fase mais avançada causa alteração da voz (monocórdica) e da escrita (micrografia). Também é frequente o desenvolvimento de quadros depressivos e desenvolvimento de demência.

Estudos científicos demonstram que doentes que praticam exercício regularmente conseguem realizar as atividades da vida diária por mais tempo reduzindo a progressão dos sintomas. Para que isso aconteça, a atividade escolhida deve exercitar:

– O sistema cardiovascular e respiratório: ajuda a reduzir a fadiga crónica.

– O sistema muscular, através do fortalecimento e flexibilidade: ajuda a melhorar o desempenho dos músculos e rapidez de resposta dos neurónios.

 

Quais os melhores exercícios?

A caminhada é sugerida por diversos médicos e pode ser feita em qualquer lugar e não necessita de equipamentos. Nadar e andar de bicicleta também são atividades recomendadas.

O mais importante, e isso vale para qualquer exercício escolhido, é a regularidade. O ideal é estar em movimento de 4 a 5 dias por semana, durante 40 minutos.

 

Sugerimos que sigam a Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson (www.parkinson.pt)

 

Entre em Contato

Horário de Atendimento Telefónico

De Segunda a Sexta-Feira

17:00h às 21:00h

Telefone: +351 91 621 31 73

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

mais ...

 

Testemunhos